segunda-feira, 15 de março de 2010

Tristezas do passado que não consigo esquecer.


Todos nós viemos neste mundo para passar por circunstancias que nos façam crescer tanto moralmente como espiritualmente, e essas situações que a vida nos impões são momentos de alegrias e tristezas e isso acontecera até o ultimo dia de nossas vidas.
Só que infelizmente conseguimos esquecer rapidamente os momentos de alegria, mas os momentos de tristeza, nós carregamos anos e anos em nossa vida, ficamos imaginando o que fizemos o que não fizemos e o que dizemos que magoou alguém em determinada época do nosso passado.
Deus, em sua grande sabedoria, sabe exatamente o que deve ser feito para o nosso crescimento, ele faz com que a vida coloque essas situações para aprendermos, pensar que se voltássemos, poderíamos fazer tudo diferente, ninguém sabe, era aquilo que deveria acontecer, naquele momento e com aquela pessoa. O que aconteceu, serviu tanto para nós como para aqueles que estavam envolvidos, ficar nos machucando, chorando pelo que passou não vai adiantar de nada, não podemos voltar para mudar o que aconteceu, mais podemos mudar as situações pelas quais iremos ainda passar, talvez seja a mesma, e com certeza não iremos repetir o mesmo erro.
Devemos fazer a cura interior do nosso coração, apagar todas as tristezas, pois ela impede que a felicidade entre na nossa vida, nos torna pessoas frustradas, incapaz de amar, de aceitar as coisas como devem ser. Temos que olhar o passado como uma grande lição de vida que tivemos, se magoamos alguém, pedimos desculpas, se nos omitimos Deus sabe os nosso motivos, se falamos alguma coisa que magoou nos arrependemos, e assim vamos vivendo o presente, pensando no futuro e esquecendo os momentos tristes do passado.
A felicidade esta a nossa espera para sermos felizes.

Neisson Almeida

4 comentários:

  1. como sempre na sutileza das palavras e a emoção fluindo por entre os caracteres! parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Uma verdadeira mensagem de esperança.

    ResponderExcluir
  3. falar é facil mas a prática é bem diferente.

    ResponderExcluir